Amyr Klink e as diversas formas de isolamento

Em meio a uma pandemia mundial, estamos reaprendendo a nos relacionar, a consumir, a construir vínculos e a valorizar outros tantos. Nossa dependência de certos tipos de produtos e serviços ficou evidente e uma máquina de lavar com defeito pode se transformar em um verdadeiro pesadelo de quarentena.

Mas o isolamento social não é exclusividade de quem vive em tempos pandêmicos. Em Não há tempo a perder, Amyr Klink relata suas experiências no mar e as reflexões que surgem a partir do distanciamento.

Amyr Klink

Leia um trecho:

“Tive o privilégio de constatar que, quando a gente vive esse isolamento físico, passa a observar detalhes que não percebe no dia a dia. Todos nós temos, querendo ou não, contratando ou não, um exército de fornecedores de serviços, necessidades e gentilezas, que normalmente não enxergamos ou nunca agradecemos. Mas essas pessoas existem e são reais, não são virtuais. As pessoas que lavam e passam nossa roupa, preparam o jantar, cuidam do esgoto, da água, do nosso transporte, da eletricidade que abastece nossas casas.

Na execução da viagem, descobri que eu era o único provedor dos serviços, e que o bem mais escasso era o tempo. Não sobrava tempo para nada! Tinha que fazer tudo: comida, água, calor, energia elétrica, lavar roupa, lavar louça. Nas quatro primeiras semanas, logo depois que o mar congelou, vivi um inferno, com tantos problemas novos, manutenção, mecânica. Comecei a desenhar cronogramas de tarefas. A rotina do barco explodiu exponencialmente, eu não conseguia acompanhar. Comecei a ficar louco – será que precisaria contratar uma diarista para poder sair do barco e conhecer a Antártica?”

Não Há Tempo a Perder - Livros na Amazon Brasil- 9788584190461

FICHA TÉCNICA
Livro: Não há tempo a perder
Autor: Amyr Klink
Editora: Tordesilhas Livros
Páginas: 216